terça-feira, outubro 11, 2005

Joana

O seu nome era Joana, uma criança como tantas outras, que brincava, sorria, frequentava a escola e sobretudo sonhava!
Pelo facto de ver aquilo que não devia, foi selvaticamente assinada., e como se isso não fosse suficiente, os seus assassínios, a própria mãe e seu tio, de nome Leonor e João Cipriano, profanaram o seu corpo. Não existe, no meu entender, forma para descrever tal acção. Naquela noite de 12 de Setembro de 2004, a menina surpreendeu a mãe e o tio, em casa, numa cena incestuosa de sexo, ameaçando que ia contar tudo ao padrasto, Leandro, a quem chamava pai. Assinou, sem saber, a sentença de morte.

João e Leonor Cipriano, por esta ordem, segundo a acusação, agrediram-na violentamente e esmagaram-lhe o crânio contra a parede. Consumado o crime, de acordo com a acusação do Ministério Público, Leonor e João decidiram esquartejar o cadáver, de “forma a facilitar a sua ocultação”. O corpo da menina foi então retalhado em várias partes. Os pedaços do cadáver foram metidos em sacos de plástico que ficaram por uns dias guardados na arca congeladora.

Começa amanhã o julgamento destes assassínios, que na minha opinião e se a sentença de morte fizesse parte da nossa constituição, deveriam seguir directamente para a cadeira eléctrica! Vamos acompanhar este desenrolar e esperar pelo melhor desfecho.

PENA MÁXIMA.

1 Comentários:

Blogger Saramar disse...

oi Coruchero, boa noite, bom dia
Não vou comentar esse horror que vc narrou. É muito triste.
Estou aproveitando o espaçopara matar saudades e convidá-lo a voltar a me visitar, fazer algumas críticas, sugestões ou xingar, mas tudo de forma mansa e tranquila.
Viu como sou tagarela? Quando começo a escrever, não paro.
Vá lá no bloguinho ver as novidades

4:32 da manhã  

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

<< Página inicial